Portal do Uíge e da Cultura Kongo

Portal do Uíge e da Cultura Kongo

Página de informação geral da Província do Uíge e da Cultura Kongo


A batalha de Ambuíla/Mbwila - 29 de outubro de 1665.(1)

Publicado por Muana Damba activado 1 Noviembre 2011, 23:25pm

Etiquetas: #Fragmentos históricos do Uíge.

 

Por João Nogueira Garcia

 

s100x100 (1)

 

Fazem ( 29 de Outubro ) hoje 346 anos desde que ocorreu a célebre batalha de Ambuíla que marcou o início do fim do Reino do Congo como estado independente.

O local da batalha do Ambuíla não está perfeitamente definido no terreno, admitindo-se que tenha tido lugar no Vale do Rio Luege, na zona onde existiu desde tempos muito remotos o povo e sanzalas do Dembo Ambuíla que se julga corresponder à actual serra Ambuíla, já na zona do Quitexe. Na periferia desta serra estava instalada a fazenda Alegria cujos trabalhadores encontraram, por várias vezes, armamento antigo.

Contava-se, no tempo colonial, a anedota do chefe do posto de Nova Caipemba. Quem então mandava, lembrou-se de fazer um monumento a comemorar a batalha e o chefe de posto foi encarregado de o colocar no local. Como a lucidez já não seria muita mandou os ajudantes largar a coisa onde melhor lhe pareceu. Assim ficou uma placa junto ao campo de aviação de Nova Caipemba dizendo que naquele local se travou a batalha. E ainda há pouco tempo a administradora do município de Ambuíla, Elisa Mafuta, reclamava a construção de um memorial no local da batalha, naquela localidade, "onde foram mortos milhares de angolanos em vários períodos, com destaque para a Batalha de Ambuíla, em 29 de Outubro de 1665"...

 

 

Nos textos que se seguem vamos proceder à descrição da batalha com base e com transcrições do livro "A Batalha de Ambuíla", Gastão Sousa Dias - Lisboa, Museu de Angola, 1942 e com apontamentos dos livros " História do Congo Português", Hélio Esteves Felgas - Carmona, 1958, "História de Angola", Norberto Gonzaga - CITA, 1963, "História de Angola", Douglas Wheeler e René Pélissier.

 

 

 

 

As dificuldades provenientes da guerra entre Portugal e Espanha, exigindo o aproveitamento de todos os recursos metalúrgicos, levaram D. Afonso VI a escrever, em 22 de Dezembro de 1663, uma carta ao governador-geral de Angola Vidal de Negreiros, ordenando-lhe que tomasse posse das minhas de cobre que, pelo tratado de paz de 1649, o rei do Congo era obrigado a ceder a Portugal.

 

Vidal de Negreiros

 

 

 

 

No início de 1661, tinha falecido o velho rei Garcia II. Sucedeu-lhe seu filho D. António I, Nvita-a-Nkanga, marquês de Kiva. O Rei do Congo D. António respondeu negando a existência das minas e dizendo “posto que as houvera, não as devo a nenhum”. Seguem-se diligências de parte a parte com intervenção dos representantes do Cabido e Clero do Congo, mas ambos os lados se aprontam para a guerra.

 

Recepção do rei do Congo aos capuchinhos

 

 

Vidal de Negreiros prepara o seu exército para o combate e D. António responde apelando à mobilização geral dos seus súbditos com uma inflamada proclamação: “… que toda a pessoa de qualquer qualidade que seja (…) capaz de poder menear armas ofensivas (…) se vão alistar para saírem a defender as nossas terras, fazendas, filhos e mulheres, e nossas próprias vidas e liberdades, de que a nação portuguesa se quer empossar e senhorear”.

 

Continua...

 

 

 

                                                                                     
                                      Fonte:  www.quitexe-historia.blogs.sapo.pt

                                                             O blog do quitexe.

 

 

 

 

Archivos

Ultimos Posts